30 de maio de 2014

O que é a verdade?


Pilatos, na sua mente povoada de neurónios tortuosos, naquele dia estava profundamente confundido sobre o que era a verdade para si, por isso se serviu de Alguém, que, pensava ele, o pudesse esclarecer. 
Mas Jesus não o esclareceu. Antes, deixou que ele descobrisse por si, com a ajuda de terceiros ou permanecesse na dúvida ou anuísse à mentira, sempre mais fácil do que a opção pela verdade. 
Mas já a mulher de Pilatos, inteligente e sensível, ou não fosse mulher, estava muito perto dela, sonhou com o “justo”, assim o apelidou e quando ELE era flagelado, com toda a brutalidade que uma cultura dominante impunha sobre os mais fracos, atirou da varanda que rodeava o quarto de casal, ao nível do primeiro andar, uma imaculada toalha de linho, branca, para O que ia ser crucificado ser limpo do sangue que cobria o seu rosto, de tão desfigurado que estava havia perdido feições humanas, mas sempre caminhando como um cordeiro para o matadouro, sem protesto, ódio ou ressentimento, diz o Profeta. 
E na toalha, reza a tradição, ficou inscrito o Seu rosto 
E o que é realmente a verdade? Quase tudo, menos o que se pratica na nossa terra. A verdade-verdade não se confunde com a verdade dos políticos, essa é outra verdade, a sua própria verdade, mais conforme aos seus negócios, da respectiva família, dos amigos e dos amigos dos amigos, numa espiral criminosa e impune, que oprime e atenta gravemente contra a dignidade da pessoa humana. 
Mas nunca se pode esquecer que essa verdade é alicerçada, quantas vezes, na mentira, porque uma verdade cem vezes repetida já se tornou verdade. 
Somos um povo pouco amante da verdade. Dá-lhe prazer contornar a verdade e como isso lhe está incrustrado no sangue, historicamente, também não sabe e não se importa muito pugnar nem que seja até ao fim pela verdade. Sente-se bem enganado, a menos que a mulher passe para as mãos de outro, nessa altura vira a mau olhado, fala sozinho, ri-se sem causa, rumina e mata 
A verdade deixou de povoar as nossas famílias, que não educam, muitas, os seus filhos para a verdade, para sempre se manifestarem pela e de acordo com a verdade. Não o fazendo não podem querer a verdade nas relações inter-membros A mentira é igual à verdade, tanto dá uma como outra. E quem se importa com ela é discriminado, apoucado, alvo, até de reparo. A escola também se demitiu do seu dever de, também, ela formar seres humanos. 
Mas a verdade o que realmente é ? É a descrição em forma rectilínea dos acontecimentos, nem inflectindo para a esquerda e nem para a direita. É a descrição como a realidade lhes deu origem, sem mácula. 
Sendo assim há que concluir que a descrição dos acontecimentos na verdade imprime nobreza de carácter e uma visão escorreita do mundo, pela qual se luta. E há locais onde mais que em quaisquer outros se mente, escandalosamente. 
Ao fim e ao cabo o enraizamento da verdade é um fenómeno cultural, uma envolvente que não nos envolve, que se não cria em 40 anos, mas pior do que se não criar, é, parafraseando-se o infeliz prosador, recente e prematuramente mente ceifado pela morte, distrairmo-nos da verdade.

por Armindo Monteiro


0 Comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More