31 de maio de 2011

Aos meus queridos Pais

Obrigado, porque tiveram na vossa vida um lugar para a minha vida, renunciando a tantas coisas boas que poderiam ter, saboreado. Porque – mais do que isso – fizeram da Vossa vida um lugar para a minha vida. E de muitas maneiras “morreram” para que eu pudesse viver. 

Obrigado, porque não só me aceitaram como eu era, como estavam dispostos aceitar-me fosse eu como fosse. 

Obrigado, por me terem feito sentir que estar no Vosso colo era tão seguro como dormir na palma da mão de Deus. 

Obrigado, porque me ralharam quando me portei mal, quando bati o pé com teimosia, quando tirei batatas fritas antes do jantar estar servido, quando atirei a roupa suja para um canto do quarto. 

Obrigado, porque não tiveram vergonha de mim quando, por tirar um - Satisfaz Pouco – a matemática, me sentia a criança mais feliz do mundo. 

Obrigado, por terem querido conhecer os meus amigos, por terem aprovado as minhas escolhas e por terem levantado a cabeça – mesmo sabendo que eu estava longe – quando iam na rua e ouviam alguém da multidão chamar: “Pai, Mãe!”. 

Obrigado, porque passaram uma boa parte das Vossas Vidas a verem os meus desfiles para que – quando eu perguntasse “viram-me, viram-me?!” – pudessem responder com sinceridade e orgulho “é claro que te vimos!” 

Obrigado, por terem esperado por mim naquelas tardes de quarta feira em que, ver as Vossas caras, era uma daquelas sensações que ainda hoje não consigo descrever. 

Obrigado, pelas lágrimas que choraram e que eu nunca cheguei a saber que choraram. 

Obrigado minha Mãe, por ter feito de costureira, cozinheira, explicadora e por ter aprendido a fazer bolos e sumos. 

Obrigado, por ter feito roupas e máscaras para as festas da escola e por me ter aconchegado os lençóis ao corpo, mesmo quando dormia longe de mim. 

Obrigado, meu Pai, porque me ensinou a compreender a vida e a aceitar o destina como uma dádiva de Deus. 

Obrigado, por ter brincado comigo ao cavalinho, ao braço de ferro, aos jogos de cultura geral e a tantas outras coisas que são hoje parte integrante do meu sorriso, da minha alegria e da minha vontade de viver. 

Obrigado, meus queridos Pais, porque a Vossa união me deu irmãos… e como Eles são importantes para mim! 

Obrigado, porque me ensinaram a perdoar e porque é pensando em vocês que posso entender o significado da vida e a presença de Deus. 

Obrigado – já agora - … porque fizeram da minha vida o sonho que, numa outra vida, desejaria sonhar com ele todas as noites. 

Obrigado, do fundo do meu coração… … que é fruto da Vossa união.

Dedicado a Madalena e Silvério 
por Bruno Manuel

0 Comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More