8 de abril de 2010

O Trabalho, dom e direito

A sociedade portuguesa e internacional, vive uma situação de crise generalizada e de aumento das desigualdades sociais, e está a ser conduzida por grupos detentores de avultadas fortunas, adquiridas e geridas sem terem em conta o desenvolvimento sustentável do mundo, a justiça e equidade entre os homens.
As situações de desemprego, trabalho precário, salários baixos e pensões reduzidas continuam a ser actualmente, factores de crescimento da pobreza e motivo de contestações e reivindicações, mais ou menos generalizadas... que vêm desacreditando a política, os agentes económicos, o valor do exercício da cidadania entre os trabalhadores e a sociedade em geral!
Apesar das alterações que o conceito de trabalho foi sofrendo desde os primórdios da Humanidade até aos nossos dias, preenchendo páginas da história com novos domínios e novos valores, ele permanece e robustece-se como um dom e um direito.
Recordamos como do Egipto à Grécia e ao Império Romano, atravessando os séculos da Idade Média e do Renascimento, o trabalho foi, sucessivamente, considerado como um sinal de opróbrio, de desprezo, de inferioridade. Esta concepção atingia o estatuto jurídico e político dos trabalhadores, escravos e servos.
Com a evolução das sociedades, os conceitos alteraram-se. O trabalho – tortura, maldição, deu lugar ao trabalho como fonte de realização pessoal e social, o trabalho como meio de dignificação da pessoa.
Na nossa sociedade actual, apesar das dificuldades reais que atravessa, tem sido elevado e reconhecido como factor estruturante da organização económica, política e social. Ele é a relação social fundamental, na medida em que estrutura não somente a nossa relação com o mundo, mas também as nossas relações sociais... Por outro lado, consolida-se a ideia de que o homem, com o trabalho, adquire um engrandecimento pessoal, elevando-se como ser humano e social, modificando o mundo material em que vive. Esta concepção actual é moderna, face ao entendimento antigo e medieval.
Na nossa perspectiva, apraz-nos acentuar o trabalho como um dos grandes valores da vida humana, sobretudo o trabalho orientado por princípios cristãos e a moralidade que deles advém.
O trabalho é condição essencial da vida humana. Aparece, claramente, no Livro do Génesis 1,28, em que o homem surge como participante da Criação, dizendo: “Sujeitai a terra... Dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do Céu, e sobre todos os animais que se movem sobre a Terra”. Este domínio, exige trabalho.
Como manifestações concretas da cooperação na Obra da Criação, aí estão milhares e milhares de iniciativas a testemunhar a glória de Deus – Criador, que não estavam presentes na Natureza, no seu estado original. Inovações e invenções que foram trabalhadas a partir de matérias-primas da natureza: a electricidade, os instrumentos de trabalho e os instrumentos musicais; novos medicamentos; aparelhos eléctricos e electrónicos, como a televisão e o computador; veículos de locomoção, como os automóveis, aviões e submarinos. Sem falar em tantas receitas de culinária, que foram “criadas”, inventadas pelo homem.
Trabalhar, para um cristão, é o modo de fazer render os talentos, potencialidades pessoais recebidas gratuitamente, para a realização da missão que lhe foi confiada... Assim, trabalhar não é apenas para a nossa glória pessoal, a nossa realização; mas acima de tudo, para manifestar a bondade e perfeição de Deus Criador, ao mesmo tempo que colaboramos para o bem comum da humanidade.
A dimensão sobrenatural do trabalho
Foi a partir de 1928 que S. Josemaria Escrivá de Balaguer, por inspiração divina, veio afirmar que todo o trabalho humano honesto, pode e deve orientar-se, na conduta do cristão, para realizar o plano de Deus. Recordava que a vocação humana, profissão, aspirações nobres, inclinações generosas, que configuram a actividade de cada pessoa – é parte essencial da vocação divina.
Afirmava, fundamentalmente, que toda a ocupação honesta pode ser santificada e santificadora! Isto soou a novidade e opunha-se-lhe essa concepção antiga do trabalho como coisa vil e, inclusivamente, como um estorvo para a santificação dos homens.
Em uma das suas homilias, no livro “Cristo que Passa”, lemos que o trabalho ao acompanhar a vida do homem sobre a terra, traz associado o esforço, a fadiga e o cansaço, como manifestações da dor e da luta que fazem parte da nossa existência humana e que são sinais da realidade do mal e da necessidade da redenção. “Mas o trabalho em si mesmo não é uma pena, nem uma maldição ou um castigo: os que falam assim não leram a Sagrada Escritura”.
Afirmava ainda que os cristãos devemos dizer bem alto que o trabalho é um dom de Deus... Que o trabalho, todo o trabalho, é testemunho da dignidade do homem, do seu domínio sobre a criação. É ocasião de desenvolvimento da personalidade. É vínculo de união com os outros seres; fonte de recursos para sustentar a própria família, meio para contribuir para melhorar a sociedade em que vivemos, e para o progresso de toda a Humanidade.
E continua, dizendo que para além de tudo isto, “o trabalho ao ser assumido por Cristo – nos seus trinta anos de vida oculta – apresenta-se-nos como realidade redimida e redentora e, por isso, não é apenas o âmbito em que o homem vive, mas é também meio e caminho de santidade...” (n.º 47, Cristo que Passa).
O seu ensinamento ajuda-nos a descobrir que o estudo ou qualquer outro trabalho, se bem feito e por um motivo sobrenatural, enaltece-se... E a par do enorme valor humano e social do trabalho, manifesta também o seu valor redentor: trabalho bem feito até ao pormenor, realizado com competência técnica e profissional e levado a cabo com rectidão moral, com lealdade e com justiça.
Com estas condições, o trabalho profissional do cristão aparece como algo santo, santificador e, se oferecido a Deus, será oração!

Imagem tirada daqui

0 Comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More