28 de janeiro de 2010

Delírio

O Conselho Económico e Social, composto pelos parceiros sociais, afirmou no seu parecer sobre as Grandes Opções do Plano 2010-2013, aprovado a 20 de Janeiro: «a listagem que é feita das intenções e das medidas, pela sua extensão e ambição, antes parece apropriada a uma situação de um país em forte crescimento económico e em que os recursos públicos aumentam também de forma rápida, o que está muito longe de configurar a previsível evolução da economia portuguesa nos próximos anos» (n.º 14). Dada a grave crise que o país atravessa, é difícil fazer crítica mais demolidora.Também nas negociações entre a oposição e o Governo para viabilizar o Orçamento de Estado surgiu o mesmo delírio. Era necessário e urgente que os partidos se concertassem para propor as medidas duras que a situação exige e são indispensáveis ao equilíbrio nacional.
Em vez disso assistiu-se ao espectáculo deprimente do desfiar do rol de pedidos para satisfazer clientelas particulares, impondo gastos a troco do votos. Para se desculparem, diziam que as tais propostas seriam neutras na despesa. Isso é o mesmo que um homem com a casa a arder não fazer nada mas garantir que, ao menos, não deita combustível ao fogo.
O Orçamento entregue estes dias será analisado com cuidado. Mas mesmo antes de se conhecerem as contas podemos dizer que, face à grave situação financeira nacional, o debate preparatório não se centrou em medidas dolorosas e distribuição de custos. Permaneceram os antigos debates ociosos entre procuradores de interesses instalados num delírio de um mundo a fingir.


por João César das Neves
in Destak, 28/01/2010

0 Comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More