13 de março de 2009

Na rota cultural das terras da Beira



O Catálogo da “Casa Museu Mons. Alves Brás” vai ser lançado na tarde do dia 15 de Março, nas diversas cidades de país.
A "Casa Museu Mons. Alves Brás” fica situada no centro de Casegas, bem perto da Serra da Estrela, que serviu de berço e de escola ao Fundador do Jornal da Família, agora restaurada e adaptada para eternizar a memória da sua pessoa, vida e obra, inaugurada e aberta ao público desde 20 de Julho passado.

O Jornal da Família, convida os seus assinantes e leitores a associarem-se ao evento e, quando puderem, a visitar a Casa Museu.
É um lugar e um espaço de muito interesse, fazendo parte de uma rota cultural das terras da Beira, que vale a pena conhecer. Quem tiver curiosidade de perceber como se forjou a alma do Apóstolo das famílias, em Portugal, vá a Casegas, visite a Casa Museu e ali descobrirá o segredo.
A iniciativa é do Instituto Secular das Cooperadoras da Família, que deste modo assinala o 43º aniversário da sua entrada no seio do Pai, e o 1º aniversário do decreto do reconhecimento da heroicidade das suas virtudes, por Bento XVI.
Aliás, o mês de Março é um mês cheio de marcas históricas da vida de Mons. Brás. Ao 43º aniversário da sua partida para o Céu, e do primeiro ano do reconhecimento da heroicidade de suas virtudes, junta-se o 110º do seu nascimento, respectivamente a 13, 15 e 20 de Março, razão que nos dá um novo ensejo para celebrar com acrescida gratidão o homem, que dedicou a maior parte da sua vida e ministério sacerdotal ao serviço das famílias e dos mais pobres.
O contexto social em que o jovem padre Brás iniciava o seu ministério, não era menos exigente, nem menos dramático, do que aquele que nos é dado viver hoje. O contexto social dos anos trinta era de verdadeira crise económica, de decadência religiosa de movimentos migratórios do mundo rural para o urbano e, portanto, de grande fragilidade social.
Lendo, à luz do Evangelho e com visão profética os dramáticos acontecimentos e sua incidência nas famílias, e nos mais pobres, o Pe. Brás soube munir-se das armas pacíficas da oração e da acção concertada e sem lamentações estéreis, para enfrentar toda a espécie de dificuldades, que para ele se convertiam em apaixonantes desafios, na defesa das famílias e das empregadas domésticas.
Por isso deixou obra feita e pode ser considerado um “Mestre” inspirador para quantos anseiam e trabalham hoje, por uma sociedade mais justa, e respeitadora dos direitos humanos.
O Jornal da Família, imbuído do espírito do seu fundador, continua a evidenciar o valor da família fundada no sacramento do Matrimónio, a sua importância social e eclesial, no mundo hodierno.


Por Fátima Castanheira, cf
Jornal da Família

0 Comentários:

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More